Carta do Presidente

Para o mercado segurador brasileiro, 2017 continuou sendo um ano desafiador, impactado pelo baixo crescimento do PIB, queda na concessão de crédito, desempenho insatisfatório das indústrias correlatas e uma consequente retração da demanda por seguro. Além desses aspectos macroeconômicos, tivemos que enfrentar também fatores específicos que afetaram o nosso desempenho no ano.

Um dos mais relevantes foi o agravamento da violência, em decorrência do cenário conturbado verificado em várias regiões do país, que afetou a frequência de roubos, principalmente de automóvel e transportes, com impacto direto no aumento da sinistralidade. Aliado a isso, o volume de prêmios e de vendas no canal bancário, principalmente nos Seguros de Pessoas e Automóvel, foi menor em relação ao ano anterior, assim como a performance de outros negócios, como Previdência e Saúde, que ficou abaixo das expectativas.

Diante desse cenário, a MAPFRE Brasil encerrou o ano com volume de prêmios de R$ 16,6 bilhões, uma redução de 0,1% em relação ao exercício anterior, e lucro líquido atribuído de R$ 465,7 milhões, 14,6% menor que o registrado em 2016

Mesmo com um resultado inferior ao ano anterior, nossa representatividade perante à MAPFRE S.A. se manteve no mesmo patamar. O Grupo acabou sendo afetado por catástrofes naturais ocorridas em 2017, que não atingiram o Brasil, mas impactaram significativamente o resultado líquido da MAPFRE.

Assim, continuamos sendo o segundo país de maior relevância e com os melhores resultados depois da Espanha, contribuindo com 22,4% dos prêmios e 18,3% dos resultados da MAPFRE S.A.

Entendemos que, pelas dificuldades enfrentadas, este não foi um ano ruim, mas sim um período de transição e aprendizado. Aproveitamos o momento para fortalecer nossa atuação no âmbito digital e nos serviços oferecidos ao cliente, buscando mais agilidade e qualidade e, principalmente, olhando para dentro do negócio para fazer uma lição de casa necessária, focada na contenção de gastos e na busca por produtividade a partir das ferramentas digitais e do conceito de inovação.

Esse posicionamento mais assertivo nos garantiu uma redução de custos importante para o ano e, mais do que isso, preparou a Companhia para que possamos retomar a trajetória histórica de crescimento.

Além do foco em serviços digitais, também direcionamos nosso olhar para processos e precificação, com a adoção de medidas técnicas que já indicam uma melhora nos resultados a partir do final do ano e, provavelmente, uma retomada para 2018.

Como fruto desse trabalho, reavaliamos nossa estratégia no segmento de Consórcios e decidimos nos associar a um grande player de mercado, a BR Consórcios, o que nos permitirá ampliar os canais de distribuição e portfólio de produtos nesse mercado, garantindo uma atuação mais competitiva.

Outro acontecimento relevante e fundamental para o futuro dos negócios foi a reestruturação, iniciada em 2017 e anunciada em 2018, da parceria com o Banco do Brasil.

Nessa nova configuração, que está sendo concluída e será submetida à aprovação dos órgãos reguladores, os negócios foram reorganizados de forma que cada sócio (MAPFRE e Banco do Brasil) possa adequar-se ao “apetite de risco” específico. Com isso, mantivemos nossa participação societária nos negócios atendidos pelos canais do banco, exceto Automóvel e Grandes Riscos. Nesses segmentos, mantivemos a exclusividade do Banco do Brasil e aumentamos a nossa participação, de 50% para 100%, possibilitando, com isso, mais sinergia com outros negócios que já possuímos, não associados ao banco.

Na prática, o GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE continua existindo, mas de forma diferente, somente com atuação nos canais bancários. Nossa expectativa é que a partir de uma estrutura mais simplificada e um modelo de governança mais simples, possamos avançar com agilidade, foco e planejamento em nossas atividades no país.

Por tudo isso, este foi um ano de muito trabalho, desafios e conquistas. Foi também um ano especial, em que completamos 25 anos de atividades no Brasil com uma trajetória de crescimento e contribuição ativa para o desenvolvimento do setor e a disseminação da cultura de seguros na sociedade.

Esse posicionamento é consequência do trabalho que vem sendo promovido ao longo desses anos, em que buscamos refletir, cada vez mais, a sustentabilidade como parte integrante da estratégia de negócio. Acreditamos que esse é o caminho da inclusão no mercado de seguros. O grande desafio é disseminar a educação financeira e promover ações que buscam otimizar e incentivar o consumo desses produtos.

Cientes de que a busca por uma gestão sustentável é uma trajetória longa e perene, continuaremos investindo no diálogo e na geração de valor com os nossos stakeholders, estreitando relacionamento com os diferentes públicos e mantendo um alinhamento permanente com princípios internacionais dos quais somos signatários, como o Pacto Global, da ONU.

Nesse sentido, publicamos o Relato deste ano na opção “de acordo” da GRI Standards e em linha com as recomendações do marco de informação publicado pelo IIRC (Conselho Internacional do Relato Integrado).

Outro aspecto positivo é que em 2017 reforçamos o volume de recursos investidos pela Fundación MAPFRE no Brasil, que totalizaram R$ 7,35 milhões no ano, revelando a importância do país para as atividades fundacionais, e beneficiaram mais de 17 milhões de pessoas no período, direta ou indiretamente.

Todo o empenho que dedicamos rendeu e continuará rendendo frutos. Acreditamos que a trajetória de crescimento do mercado será retomada, com um cenário ainda melhor para 2019. A volatilidade ainda continuará presente, mas estaremos mais preparados ao novo nível de taxa de juros e os preços estarão mais alinhados.

Reiteramos nossa confiança no mercado brasileiro de seguros e nas ações adotadas que deixam a Companhia melhor preparada para se beneficiar da retomada gradativa da economia.

Wilson Toneto CEO MAPFRE | Regional Brasil

topo