Governança Corporativa

Gestão de RiscOS

Para garantir uma gestão de riscos eficaz, a MAPFRE Brasil conta com um Sistema de Gestão de Riscos (SGR), que é baseado na gestão integrada dos processos de negócios, na adequação do nível de risco aos objetivos estratégicos estabelecidos e nos principais riscos aos quais está exposta: operacionais, financeiros e de crédito, da atividade seguradora, e estratégico e de governança corporativa.

Alinhado às diretrizes da Política de Gestão de Riscos da MAPFRE S.A., este sistema envolve a gestão integrada de todos os processos do negócio, estabelecendo diretrizes para o funcionamento eficaz do gerenciamento de riscos e para as responsabilidades dos gestores e das camadas de controles.

Foi desenvolvido a partir da metodologia do Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (Coso) e considera o princípio da precaução em busca da proteção e geração de valor para a empresa e seus públicos de interesse.

Responsável por coordenar este trabalho, a área de Riscos e Compliance dedica-se ao estabelecimento de rotinas e procedimentos capazes de identificar, mensurar e mitigar os riscos relacionados ao negócio, garantindo o cumprimento de todos os normativos internos e externos e evitando a ocorrência de situações que possam configurar conflito de interesses entre as partes interessadas.

Gerenciamento de Riscos

Todas as unidades da MAPFRE Brasil são submetidas à avaliação de riscos, com atenção aos processos de subscrição e às questões de prevenção de crimes de lavagem de dinheiro, fraudes e corrupção.

O gerenciamento dos riscos operacionais é realizado com a ferramenta RiskMap, que permite aos gestores fazer uma autoavaliação dos riscos operacionais relativos às suas respectivas áreas de atuação, analisando a criticidade de cada risco, sua probabilidade de ocorrência e o grau de controle interno. A partir desse diagnóstico, os planos de ação são construídos e, posteriormente, revisados e atualizados a cada dois anos. Para acompanhar e garantir sua aplicabilidade, são realizadas auditorias (interna e externa) e testes de compliance, que verificam o que está sendo cumprido na prática.

A Empresa também vem se antecipando aos potenciais riscos dos diversos setores de atuação com os quais se relaciona, ampliando o monitoramento de sua cadeia de valor, como os segmentos de Grandes Riscos, Rural e Automóvel, que já contam com critérios ASG nas das etapas de subscrição e inspeção.

  • Em Grandes Riscos, o questionário com ênfase para as questões ASG aplicado no processo de inspeção em clientes foi revisado em 2017 e será integrado ao questionário tradicional de inspeção (com a redução de 21 para 11 perguntas), possibilitando mais eficiência na captura de informações relevantes e a adoção de um rating de sustentabilidade como critério integrado à tomada de decisão/ subscrição e à classificação dos riscos inspecionados.

  • Em Rural e Habitacional, foi formado um Grupo de Trabalho de Sustentabilidade (GT) que é responsável pelo diagnóstico do nível de integração da gestão de riscos socioambientais nessa área. Iniciado com a revisão de documentos (manuais, termos e condições gerais), em 2017 o GT concluiu 35% do cronograma de integração ASG nos documentos da diretoria para mitigação de riscos. Ao longo do ano, também atuou na publicação do Manual de Orientação sobre Gestão de Resíduos e na organização do treinamento em temas críticos ASG para peritos.

  • Em Automóvel, o Sistema de Mitigação de Riscos no Pátio de Salvados teve continuidade com o objetivo de mitigar riscos legais e de reputação/imagem, a partir de uma série de iniciativas como estudos e insumos técnicos ambientais e auditorias periódicas para verificar a estabilidade do sistema de gestão ambiental no Pátio Caçapava, com foco na gestão de resíduos. Em 2017, foram realizadas três auditorias para identificação de não-conformidades e estabelecimento de planos de ação para prover a melhoria contínua da gestão.

Outro avanço que contribuiu para consolidar e aprimorar o processo de mitigação de riscos reputacionais na MAPFRE Brasil foi a implementação das chamadas Listas Preventivas, uma ferramenta de mapeamento com critérios ASG como um mecanismo de monitoramento e prevenção de atividades de lavagem de dinheiro, atos ilícitos ligados à corrupção e outros riscos relacionados. Adquirida e testada em 2016, a ferramenta passou a ser disponibilizada em 2017 como forma de prevenção da exposição negativa na mídia, mitigando o risco financeiro, de imagem e reputação.

Também merece destaque a inclusão uma categoria de risco socioambiental dentro do escopo do projeto EGR (Estrutura de Gestão de Riscos) para atendimento à Circular SUSEP 521/15, que classifica o nível de risco e indica os controles e mitigadores necessários.

Nos últimos três anos, não foram registradas queixas comprovadas de violação de privacidade ou perda de dados dos clientes.

Em 2017, foi registrada uma reclamação, por meio do canal Reclame Aqui, de descarte irregular de eletroeletrônico. O caso foi solucionado em menos de 10 dias com o acionamento da prestadora de serviço responsável pela coleta do equipamento, que realizou a remediação do ocorrido.

 

CONTROLES INTERNOS

Durante o ano, foi implantado o RCI (Rating de Controles Internos) que tangibiliza e mede a aderência dos processos adotados pela Empresa aos indicadores de conformidade e controles internos. Essa metodologia é composta por cinco indicadores, sendo parte deles classificados como critérios para medição e outra parte como critérios de correção:

  • 1. Regulamentações

  • 2. Normativos

  • 3. Cursos obrigatórios

  • 4. Planos de ação

  • 5. Fiscalizações

A expectativa é que com a adoção desse controle, sejam alcançados benefícios como maior satisfação no atendimento ao cliente interno; redução nos apontamentos de auditoria, fiscalização e teste de compliance; diminuição de perdas decorrentes de falhas nos processos ou fraudes; identificação de oportunidades para a implantação e aperfeiçoamento de processos; entre outros.

Além disso, os temas ligados à sustentabilidade passaram a integrar a Comissão de Riscos, Segurança e Sustentabilidade, presente apenas na estrutura de governança do GRUPO SEGURADOR, possibilitando a inserção de pautas regulares sobre riscos ASG neste fórum corporativo.

Foi desenvolvido ainda um plano para fortalecer a disseminação da cultura de controles internos entre os colaboradores, com a inclusão do tema nos comunicados internos e treinamentos oferecidos pela Universidade Corporativa, além da realização de uma peça teatral (Corrupção não cidadão), que abordou de forma lúdica as ações de prevenção e combate à corrupção que devem ser adotadas pelos colaboradores.

Para garantir a manutenção dos controles internos em relação a aspectos como corrupção, lavagem de dinheiro e combate à fraude, a MAPFRE Brasil atua em diversas frentes: estabelecimento de políticas formais aprovadas pelos executivos e amplamente divulgadas aos colaboradores; inclusão de cláusulas em todos os contratos sobre temas ligados à corrupção, lavagem de dinheiro e combate à fraude; realização de treinamentos para os colaboradores; e disponibilização de canais de denúncia via e-mail e telefone.

A Empresa possui um Código de Ética e Conduta, disponível na intranet para todos os colaboradores e concebido de acordo com seus valores e princípios. O documento estabelece as diretrizes e orienta as decisões e atitudes dos colaboradores entre si e na relação com clientes, fornecedores e demais públicos, funcionando como um manual de orientação para a construção e disseminação de uma cultura interna que privilegia a ética em todos os processos.

Na ocorrência de alguma suspeita de fraude ou corrupção, os colaboradores são instruídos a utilizar os canais específicos, como o Programa de Ouvidoria e Papo (POP) e o Canal de Denúncia de Fraude e Ouvidoria, para comunicar tais desvios de conduta. Além disso, a MAPFRE Brasil conta com outras formas de identificação e coibição dessas atitudes: controles internos e auditorias internas e externas. Após materializada a suspeita e caso seja identificado o envolvimento de colaboradores, a situação é conduzida pela área de Auditoria Interna. Caso envolva clientes e fornecedores, o acompanhamento é feito pela área rídica, com a participação da área de Riscos e Compliance.

 

FÓRUM DE MELHORIAS

Composto por representantes das Diretorias Gerais do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE, o Fórum de Melhorias tem com o principal objetivo analisar as reclamações registradas na Ouvidoria, as recomendações de melhorias sugeridas pelos colaboradores e definir soluções, em processos e produtos.

Nos últimos três anos, foi mensurada a economia gerada a partir da adoção de mecanismos de prevenção à fraude, com a negativa administrativa de sinistros irregulares. Como resultado, um total de R$ 294 milhões foram poupados com a efetividade do processo. Nesse período também não foram identificados casos de corrupção ou lavagem de dinheiro na Companhia.

Em 2017, a área de Controles Internos da MAPFRE Brasil recebeu uma denúncia por e-mail de tentativa de fraude na MAPFRE Consórcios, a partir da suspeita de manipulação de informações de segurados por parte de um parceiro comercial. A partir da ciência do fato, foi realizada uma ampla análise e após conclusão, foi realizada uma denúncia-crime pela própria MAPFRE Consórcio no Ministério Público e o caso está em andamento. Como medidas internas preventivas, a Empresa encerrou seu relacionamento com o parceiro.

Nos processos de subscrição e sinistros, a MAPFRE Brasil conta com procedimentos estabelecidos que buscam combater e inibir a ocorrência de fraudes, disponibilizando a todos os públicos (clientes, corretores, colaboradores, fornecedores e outras partes relacionadas) canais de denúncias de fraude, corrupção e outros ilícitos que também contribuem para identificação e o tratamento de suspeitas de fraude envolvendo o negócio.

 

COMUNICAÇÃO E TREINAMENTO

A MAPFRE Brasil dissemina temas relacionados à gestão de riscos e compliance para 100% de seus colaboradores por meio de canais de comunicação interna e de treinamentos presenciais e online específicos promovidos entre as áreas.

Nos treinamentos oferecidos ao longo do ano, foram abordados temas que buscam garantir a ética e transparência em todas as relações do negócio, além de aspectos ligados à corrupção, como lavagem de dinheiro, prevenção à fraude e capacitação focada no processo de controles internos. Nos últimos três anos, foram promovidas mais de 51 mil horas de formação com esse conteúdo.

A quantidade de horas de treinamentos sobre Corrupção cresceu (em decorrência da inclusão de temas ligados à Fraude), provocando uma consequente redução nos treinamentos sobre Fraude, que ficaram mais compactos e objetivos.

Treinamentos* Participantes Horas
2015 2016 2017 2015 2016 2017
Controles internos 6.319 5.884 5.395 4.627 4.419 4.152
Corrupção 6.319 5.884 5.395 4.627 4.419 4.152
Fraude 6.319 5.884 5.395 4.627 4.419 4.152
Lavagem de dinheiro 6.319 5.884 5.395 4.627 4.419 4.152

*as informações de treinamento são consolidadas entre as unidades da MAPFRE e do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE.

 

Total de horas de formação em ética e transparência

 

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Mudanças climáticas e eventos climáticos extremos exigem, cada vez mais, novas formas de gestão dos recursos naturais e impõem desafios para a sustentabilidade das atividades agrícolas, florestais e pecuárias.

Atenta a esse contexto, a MAPFRE Brasil vem atuando de maneira cada vez mais próxima dos produtores, compreendendo e sistematizando novos fatores de risco e disseminando a cultura do seguro rural.

Para isso, utiliza um modelo próprio de acompanhamento climático e análise de exposição de risco, considerando a distribuição da carteira, cultura/ bem segurado, cobertura, evento previsto, microrregião e histórico de perdas. Outra fonte de consulta são estudos de uso interno para avaliação de estimativas de perdas máximas em consequência de eventos climáticos extremos, a partir de informações públicas e histórico da carteira.

Ao aplicar este modelo, consegue calcular adequadamente as frequências esperadas de sinistro para dimensionar o atendimento, bem como a severidade esperada, fundamental para estimar os períodos e impactos das provisões de sinistros.

Além disso, busca cada vez mais se aproximar do agricultor com uma equipe dedicada a entender a sua realidade, a fim de desenvolver produtos voltados às reais necessidades da agropecuária brasileira.

 

SENSORIAMENTO REMOTO

A MAPFRE Brasil está amadurecendo o uso da tecnologia de sensoriamento remoto para monitorar as áreas seguradas, por meio do cruzamento das coordenadas geográficas das apólices com informações climáticas e da área plantada. Ao longo do ano que passou, as possibilidades de uso desta tecnologia foram aprofundadas para capturar, de maneira mais ágil, dados relevantes do perfil de risco do cliente, incluindo detalhes mais precisos e informações socioambientais, como a regularidade ambiental e sobreposições com terras indígenas. Em 2018, a expectativa é finalizar o piloto e consolidar o projeto com a implementação de forma mais ampla do sensoriamento remoto nas operações de seguros agrícolas.

topo